512.fw (6)

júri absolve policiais acusados pela morte de 13 pessoas


Um crime ocorrido há 27 anos finalmente foi julgado. O resultado foi a absolvição de cinco policiais acusados de participação na chacina, ocorrida em 18 de outubro de 1994, na Vila Nova Brasília, no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro. A decisão unânime do júri foi por inocentar os policiais Rubens de Souza Bretas, José Luiz Silva dos Santos, Carlos Coelho Macedo, Ricardo Gonçalves Martins e Paulo Roberto Wilson da Silva.

Na votação da série de quesitos formulados de acordo com os crimes imputados aos réus, os jurados reconheceram os fatos, mas não a autoria dos assassinatos. A sessão, que durou dois dias, foi presidida pela juíza Simone de Faria Ferraz. O Ministério Público pediu a absolvição dos réus por falta de provas.

A chacina teria sido cometida como uma represália a um ataque à delegacia de Bonsucesso. Mais de 50 policiais civis e militares teriam participado do ataque. A denúncia foi aceita pelo 1º Tribunal do Júri da Capital em 2013, após o caso ser desarquivado por decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA, que condenou o Estado brasileiro a prosseguir com as investigações, que tinham sido paralisadas ainda na fase de inquérito.

O Ministério Público pediu, ao fim da sessão plenária do julgamento, que as provas produzidas durante a audiência fossem enviadas à 35ª Vara Criminal, onde tramita o processo pelos crimes de estupro e atentado violento ao pudor que teriam ocorrido no ataque.

Na sentença, a juíza Simone Ferraz destacou que os 13 corpos foram empilhados em uma praça no local como um aviso claro de demonstração de força para alguns e que, 27 anos depois, ainda ecoa pela cidade a realidade de um estado policialesco de força e armas.

Os cinco réus negaram os crimes e alegaram que a acusação foi feita por uma confusão no reconhecimento na Corregedoria da Polícia.



Agencia EBC

512.fw (6)